terça-feira, 11 de agosto de 2015

Entrevista exclusiva: Marta Araújo, crocheteira e tricoteira

Marta Araújo é uma das artesãs mais talentosas nas artes de tricô e crochê. Começou a aprender a técnica de crochê bem cedo, ao ver a irmã fazendo alguns pontos. Hoje, tem vários cursos em DVD lançados e dá aulas no Canal do Artesanato de crochê e tricô.



Ela também criou o patchcrochê e explica mais sobre essa técnica, como viver do artesanato e outros temas interessantes na conversa abaixo:

- Marta, quando você começou a aprender crochê com a sua irmã, como fazia para aprender técnicas e peças novas?
Quando aprendi a fazer crochê com minha irmã, primeiro fiz muitas amostras dos pontos básicos, pois é muito importante conhecer cada ponto que a gente faz. Foi uma longa trajetória até fazer minha primeira peça, mesmo porque tem também a coordenação. Quando a gente começa os pontos, eles ainda ficam muito irregulares, o que é normal. A minha primeira peça eu fiz com o ponto leque.

Depois, fiz biquinhos em panos de prato e outras peças. Então, procurei cursos, professoras de crochê e aí fui me aprimorando nessa técnica. Mas olha, a gente aprende sempre, a cada dia.

Eu dou aula há alguns anos e digo que ensinando aprendi muito com minhas alunas, porque a cada peça que elas fazem, pesquiso e corro atrás. A gente sempre pensa que sabe tudo, mas sempre temos alguma coisinha ainda a aprender.
- Qual é a diferença entre o crochê tradicional e o patchcrochê?
O crochê e patchcrochê são a mesma técnica, a diferença é que o patchcrochê fiz inspirada no patchwork, que é colorido e feito da junção dos retalhos.  Assim criei o patchcrochê, que para mim é união de blocos quadrados, retangulares, hexágonos, etc.., em várias cores, bem coloridos.
- Você sabe tricotar também e nas aulas do Canal, ensina a fazer cachecóis com as ambas as técnicas. É mais difícil fazer peças de vestuário com a técnica de crochê?
Eu aprendi as duas técnicas, tricô e crochê. Com certeza, as peças de vestuário em crochê são mais elaboradas, sim. Têm que ser feitos um molde, as diminuições e os aumentos; tem que ser bem feito para que a peça fique perfeita.
- Qual tipo de peça de crochê você mais gosta de fazer?
Gosto muito de peças para decoração de interiores, como tapetes, almofadas, caminhos de mesas, enfim, tem uma variedade grande de peças. Gosto de fazer qualquer peça em crochê, só não faço muito vestuário (faço mais dessas em tricô). Cada pessoa sempre se identifica mais com uma técnica ou outra, isso é muito comum de acontecer. A minha irmã, por exemplo, gosta de trabalhar só com linha muito fina e fazer trabalhos mais refinados e delicados.
- Quem gostaria de aprender crochê deve começar por onde? Por algum ponto, técnica?
Sim, quem começa a aprender deve começar com um fio mais grosso, que é mais fácil de visualizar os pontos. Como eu disse, no começo, é muito importante fazer várias amostras dos pontos básicos para daí, sim, fazer alguma peça com um ponto fantasia. É muito importante perseverar, não desistir, porque depois da primeira peça, vem a recompensa e alegria de ver que foi você quem fez. A sensação é muito boa.
- Para quem quer viver do artesanato, quais dicas você recomenda?
Para quem quer viver de artesanato, é importante fazer um trabalho benfeito, com materiais de boa qualidade, e saber valorizar o trabalho, colocando um preço justo. Pense que um trabalho feito à mão demora para ser feio, tem que ser elaborado. Às vezes acontece de ter algum errinho, você então terá que desmanchar e fazer novamente. Mas fazendo um trabalho bonito e benfeito, você consegue viver de artesanato, sim.
- Quais são as suas aulas favoritas do Canal do Artesanato?
Eu amo todas as minhas aulas do Canal do Artesanato, pois as preparo com muito carinho e paciência e procuro ensinar da melhor maneira possível para que todos entendam e façam as peças. Isso para mim não tem preço, é muito gratificante, saber que as pessoas estão aprendendo comigo.
- Fique à vontade para deixar uma mensagem ao público do Canal do Artesanato.


Por fim, quero dizer a todas as pessoas, mulheres e homens, que fazer crochê e tricô é muito bom. É uma terapia, um lazer e também uma fonte de renda. A gente une o útil ao agradável, colocando carinho e amor nas peças que a gente confecciona. Espero por vocês no Canal do Artesanato! Vamos juntos fazer coisas lindas em crochê e tricô! Muito obrigada a todos, abraços!
Aproveite e confira também outras entrevistas com nossos artesãos:

Nenhum comentário:

Postar um comentário